José Wilker ‘Para se fazer teatro tem que cheirar o mundo e...

José Wilker ‘Para se fazer teatro tem que cheirar o mundo e aspirar as cores’

0 44

Série Grandes Atores traz entrevista com José Wilker

212685 e1350598805134 José Wilker Para se fazer teatro tem que cheirar o mundo e aspirar as cores
Bianca Ramoneda entrevista o ator José Wilker

No terceiro episódio da série ‘Grandes Atores’, que vai ao ar na Globo News na próxima terça-feira, dia 23, a apresentadora do ‘Starte’ Bianca Ramoneda entrevista José Wilker, que faz revelações sobre o início de seu trabalho como ator, lembra seus principais trabalhos e descreve as diferenças das técnicas que utiliza ao atuar no cinema, na TV ou no teatro.

Na conversa com a apresentadora, gravada no palco de um teatro carioca, ele compara a desinibição com o trabalho do ator. Ele defende que ser a atração de uma festa é algo que qualquer criança aos quatro anos de idade pode fazer, já atuar como ator é algo que exige esforço e trabalho. “O ofício para representar é algo que se estuda. É necessário que o ator busque formação. Para se fazer teatro tem que ser viciado em ler, se informar. Cheirar o mundo e aspirar as cores e os sabores que estão no ar”, explica.

Ao lembrar de sua vinda para o Rio de Janeiro, depois de sair de Juazeiro do Norte, no Ceará, Wilker conta que não tinha nenhuma pretensão de se tornar ator. “Quando eu vim para o Rio, não procurava absolutamente nada. Saí para dar um passeio e de repente encontrei pessoas que faziam arte, teatro e política. Me senti entre amigos”, descreve. O ator conta também sobre as dificuldades financeiras que enfrentou nesta época, quando tinha que optar por almoçar ou pegar um ônibus, pois não tinha dinheiro para os dois. Mas reforça que guarda boas lembranças dos tempos de juventude. “Não é nenhum drama, eu não sofri nada. Dormi no ônibus sim, dormi na praia. Mas para mim aquela era a ideia de felicidade que eu tinha desenvolvido. Era o que o teatro me proporcionava”, conta o ator.

Durante o papo, Wilker descreve as diferenças em seu processo de construção de personagens para cada veículo, fala sobre sua paixão pelo cinema e sobre alguns dos seus principais personagens no teatro, TV e cinema, como o Vadinho de “Dona Flor e seus Dois Maridos”, Juscelino Kubitschek e Antonio Conselheiro. Segundo o ator, os convites para estes trabalhos surgiram ao acaso. “Sempre trabalhei ao acaso. Nunca tracei metas, almejei ou desejei este ou aquele papel. Minha carreira não é uma sucessão de escolhas, mas uma sucessão de acasos”, diz.

A entrevista com o ator José Wilker vai ao ar no programa ‘Starte’, na próxima terça, dia 23, às 23h30. Nos episódios anteriores, a série ‘Starte – Grandes Atores’ trouxe a participação de Marco Nanini e Antonio Fagundes. Nelson Xavier encerra a temporada, no dia 30.

Deixe um Comentario